Mobile Learning: uma maneira dinâmica de aprendizado

O termo Mobile Learning é recente e ganhou mais notoriedade em meados de 2016, quando permitiu que alunos e professores criarem novos ambientes ainda mais desenvolvidos de aprendizado à distância, melhores e mais organizados do que o EAD (Ensino à Distância) estabeleceu anos atrás. O Mobile Learning, algo como aprendizagem móvel, vai além porque oferece integração das tecnologias móveis (smartphones e tablets) com o contexto da educação.

Hoje já utilizamos os nossos celulares como verdadeiros computadores (o IBGE registra a cada ano o crescimento do número de aparelhos smartphones), capazes de acessar sites, redes sociais e uma porção de aplicativos que servem para os mais diversos propósitos. O mobile Learning, logicamente, se aproveitou desse espaço para dar maior flexibilidade ao aprendizado porque reduz o tempo dos métodos tradicionais de educação ao mesmo tempo que entrega com mais rapidez e dinâmica os novos conteúdos.

>> Conheça mais o sobre o Kead, a plataforma de mobile learning com cursos, e-books e vídeo-aulas sobre o mercado financeiro.

No entanto, não faz parte do mobile Learning a pretensão de substituir as modalidades de ensino que existem hoje. Pelo contrário: o objetivo é provocar mais interação entre quem estuda e quem produz o conteúdo, estreitando uma relação para que o aprendizado saia do lugar-comum e possa ser adquirido de maneira mais interativa.

Esse novo modelo serve também a muitos outros propósitos como, por exemplo, para treinamentos de equipes nas empresas ou no investimento em novas capacitações para os funcionários que podem ser feitas também através de aplicativos para smartphones e tablets até versões disponíveis para computadores (os chamados desktops).

Tem se percebido que o mobile Learning diminui os custos dessas operações e entrega soluções rápidas e eficientes, respeitando o ritmo de aprendizado de cada pessoa (que estuda no seu tempo, quando e onde quiser) e até medindo o seu conhecimento à medida que avança no curso ou no treinamento, já que as funcionalidades dos aplicativos permitem criar uma série de situações que envolvem o usuário de uma maneira jamais vista.

Abaixo, confira algumas das metodologias mais comuns que hoje já estão sendo usadas em mobile Learning, inclusive aqui no Kead:

  • E-books: são os livros digitais e onde é possível explorar a máxima capacidade de funções que esse formato tem a nos oferecer, sendo possível incluir infográficos interativos, vídeos (uma palestra, uma aula ou uma pergunta sendo respondida), questionários, simulados e áudios.
  • Vídeo-aulas: são gravadas em estúdio, de curta duração (no Kead estabelecemos um limite de até seis minutos) e feitas sob medida para serem consumidas aos poucos – sendo um ótimo formato para desktops, mas ainda melhor para quem assiste em telas menores. No Kead as aulas ficam disponíveis também offline, ou seja, não limitamos o acesso do usuário ao seu conteúdo porque, no momento em que ele entra no aplicativo e é adicionado à Biblioteca, tudo está na nuvem e pode ser acessado mesmo quando a Internet não estiver conectada.
  • Aplicativos: o Kead faz parte dessa categoria principal que engloba os modelos que estamos citando aqui e que já usamos hoje. O aplicativo é recomendável porque é uma forma de deixar todo o conteúdo organizado e facilitando o acesso por parte do usuário. Em nossa curva de aprendizado próprio, começamos a descobrir as infinitas possibilidades que os aplicativos nos possibilitam: conteúdo multimídia e ferramentas de interação com o usuário.
  • Cursos e-learning: é atualmente um dos modelos mais usados e podem ser uma extensão dos e-books, ou feito de maneira independente utilizando os recursos multimídia disponíveis. É ótimo para interação também, já que estreita a comunicação entre usuário e professor.

A maturidade chegou

Especialistas da Internet costumam usar o termo “maturidade” para mostrar quando um dispositivo atingiu o seu ápice. E a Internet chegou nesse nível. Por isso tem tanta gente usando o celular hoje para realizar operações bancárias, comunicar-se de forma rápida e instantânea, ler livros, se atualizar nas redes sociais e até para… Estudar. Sim, essa é a tendência que mais cresce e que, se ainda não atingiu a maturidade, está se aproveitando de todos os recursos e multifuncionalidades criadas pela redes para amadurecer.

O mobile learning é uma modalidade extremamente flexível e que se adapta aos diferentes formatos de ensino. Com um público cada vez mais conectado, esse tipo de aprendizado é visto como uma oportunidade única na aquisição de conhecimento de maneira prática e totalmente centrado no controle do usuário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *